Postagens

Mostrando postagens de Agosto, 2009

de um guardanapo de papel a desenvolver

Jaldes Reis de Meneses


Amores discretos são falsos
Frágil luz baixa, réstia entrecruzada
Dois vaga-lumes tênues, extenuados,
Fogo fátuo prestes a apagar.
Tênues, extenuados de jogar.

Fogos de artifícios parnasianos.

tesos, presos aparentando liberdade

mimeografo

Jaldes Reis de Meneses

tinta seca (negra) de algum mimeografo. Agamenon

desconfiado. Toda essa terra vai se consumir
com seus mistérios. Não sabemos o que fazer com nada
disso, senão esperar alguma ordem superior.
Nada mais lembro, senão isso, mas havia
um livro, nada mais que isso em minha primeira noite
de um militante clandestino. Pensei: isso em algum dia
distante, longe como um século ou menos que um dia,
me dará argumento, já velho e distante, de cometer
alguma distração, alguma irreverência, alguma loucura, alguma poesia.

um teste (work in progress)

Depois de certa idade, nada aprendo,
Decifro e sou decifrado, assoviando aquela canção
Que escutei na última sessão do cinema de meu bairro.

Decifrar, menos que aprender, é mais encontrar.

René Char

Nossa herança não vem de nenhum testamento.
René Char

Todos os herdeiros devem se considerar bastardos, portanto, libertos.