Postagens

Mostrando postagens de Outubro, 2008

Águia Mendes

O poeta Águia Mendes criou um blog. Leitura que vale a pena, postei a seguinte mensagem:

Águia, fico feliz que tenha feito um blog e nele postado as suas poesias. Já as havia lido e gosto muito de todas. Fico ávido pela leitura das novas que virão. Preciso me dedicar um dia a escrever sobre sua poética, a maneira toda especial, densa e evocativa, a qual você consegue fundir lúdico e lirismo, uma intuição poética esmerilhada desde cedo, nos tempos idos de Jaguaribe. Ourivesaria em versos curtos, ouro puro de elevado quilate. Você é um daqueles poetas no qual o ser humano e a poesia se confundem, não há divisão, nem trauma, nem tormenta romântica, embora, é claro, é humano, deva haver dor e melancolia. Ouro puro, água límpida de riacho. O poeta liberto da alienação, um poeta alegre em sua discrição e principalmente fiel ao mundo que viveu e descreve sem preocupações estritas com realismo, embora totalmente imerso na realidade. Mais além de aparência de estilo, pois são diferentes à prime…

Papéis Falsos

Jaldes Reis de Meneses
Professor dos Programas de Pós-Graduação em História e Serviço Social (UFPB).
E-mail: jaldesm@uol.com.br.
Blog: http://www.jaldes-campodeensaio.blogspot.com/.


Duas cenas clássicas que vimos em filmes documentários antigos ainda não se apresentaram na atual crise do capitalismo: correntistas suicidas em Wall Strett, desesperados, se atirando do alto do prédio da bolsa de valores, como também o protesto social anticapitalista de trabalhadores, em passeata ou em greve geral, empunhando os duros símbolos psicanalíticos da realidade que são os espectros da foice e do martelo.

A cena do correntista (ou do banqueiro) suicida talvez aconteça a qualquer momento. Quanto à produção do trabalho como antagonista do capital, discernirmos um paradoxo, ou seja, a presença de uma ausência como a pretender encenar a asséptica dupla face de uma mesma moeda: uma grande crise do capitalismo sem antagonista político visível, conquanto no mesmo drops (de ectasay?) desmorone a chamada ideol…