Postagens

Mostrando postagens de Outubro, 2007
Tropicalismo

Jaldes Reis de Meneses.
Professor dos Programas de Pós-Graduação em História e Serviço Social (UFPB).
e-mail: jaldesm@uol.com.br.
coluna: http://www.wscom.com.br/


Neste mês de outubro que chega ao término, uma das efemérides comemoradas, junto com a paixão e morte de Che Guevara e a revolução russa, são os quarenta anos do tropicalismo.
Entre o outono e a primavera do recuado ano de 1967, no auditório da Rua da Consolação (SP), quando do terceiro festival da canção da Record, eram classificadas, sob aplausos e vaias, duas canções repletas de inovação em arranjo, instrumentação e atitude, hoje clássicos do cancioneiro brasileiro: “Domingo no Parque” (Gilberto Gil e “Os Mutantes”, segundo lugar) e “Alegria, Alegria” (Caetano Veloso e os Beat Boys, quarto). O primeiro lugar coube a uma canção que, se bem que musicalmente densa, seguia os cânones da MPB da época: a bela toada modal Ponteio (Edu Lobo e Capinam, Marilia Medalha e Momento 4). Guitarras elétricas ou uma suposta tradiç…
Mário Quintana

Jaldes Reis de Meneses.
Professor dos Programas de Pós-Graduação em História e Serviço Social (UFPB).
e-mail: jaldesm@uol.com.br
coluna: http://www.wscom.com.br/

No turbilhão de leituras sobre política, filosofia e história no qual me assoberbo no cotidiano, uma pequena nota escondida publicada numa das páginas da revista “EntreLivros” (outubro) me despertou a curiosidade: o resultado de uma enquete realizada na internet pela editoria da revista com a seguinte e audaciosa pergunta: - qual foi o grande poeta brasileiro do século XX?

Numa lista de cinco grandes poetas, a eleição coube ao gaúcho de Alegrete Mário Quintana, seguido, em um resultado equilibrado, de Carlos Drummond de Andrade, Vinícius de Moraes e Manuel Bandeira (empatados), e João Cabral de Melo Neto. Caso a lista fosse entre críticos especializados em literatura, conjeturo que jamais Quintana venceria uma enquete, até diria que a disputa recairia sobre Drummond e João Cabral, talvez Bandeira (certamente Viniciu…

Tropa de Elite, Benjamin, Tarantino

A questão surgiu de um debate em sala de aula. Estou “armazenando” aqui no blog, visando desenvolvimento posterior, senão esqueço, quase inevitavelmente. Discutia com alunos um texto manjado, embora bastante legal, de Walter Benjamin (A obra de arte na era da reprodutibilidade técnica), e surgiu a seguinte digressão, por mim lançada à reflexão dos alunos: tomemos o conceito de “valor sacral” em Benjamin. Para o crítico alemão, a obra de arte no passado tinha um valor sacral, vindo da “aura” imanente a ela, significando a propriedade advinda de seu caráter individual e irreprodutível. Dessa maneira, a “aura” era o último refúgio da religião em arte; nos tempos modernos em diante, porém, com as técnicas de reprodução (a Mona Lisa pode ser estampada em qualquer camisa), a arte foi se dessacralizando. Deixemos o otimismo de Benjamin de lado. O fato é que, de maneira diversa do passado, persistem elementos de culto, hoje, na fruição artística. Há, por exemplo, um “culto sacral” da violênci…
Tropa de Elite

Jaldes Reis de Meneses.
Professor dos Programas de Pós-Graduação em História e Serviço Social (UFPB).
e-mail: jaldesm@uol.com.br.
Blog: http://jaldes-campodeensaio.blogspot.com/


O SUCESSO do filme Tropa de Elite começou como contravenção: a distribuição e venda no mercado negro de milhões de cópias piratas, cada uma delas sintoma de uma doença mais grave: o aumento exponencial da ilegalidade no Brasil, a nossa definitiva emersão em um capitalismo de tipo mafioso, nos melhores moldes russos, mexicanos e colombianos.

Encontramo-nos no limiar da consolidação de uma estrutura de longo prazo: na vigência de deterioração de um Estado Democrático de Direito, passa a valer a cruel realidade de um Estado pré-Hobbesiano, carregado de “zonas liberadas” a soldo de tiranetes locais. Triste sina: atravessamos o umbral civilizatório da coerção legítima, do contrato social que instituiu aquilo que Max Weber (autor clássico da sociologia alemã) intitulava de “monopólio da violência legal”…
Travessuras, de Carlos Anísio

Jaldes Reis de Meneses.
Professor do Departamento de História da UFPB.
e-mail: jaldesm@uol.com.br
blog: http://jaldes-campodeensaio.blogspot.com/


Compositor de trilhas sonoras para teatro e balé, maestro, arranjador, produtor, musicólogo, professor, e agora, descobrimos, um cantor de voz grave, Carlos Anísio acaba de lançar um disco – Travessuras – com dez canções infantis de sua pena musical. Abre-se a lona de um circo repleto de simbolismos. Parafraseando a singela apresentação de Eleonora Montenegro, na parte interna do CD, a partir do aproveitamento de motivos principalmente circenses, Anísio convida-nos a uma viagem, pelas mãos de um personagem, o “Palhaço Chulé” e seus amigos, todos dotados de mimetismo, uma propriedade que ao mesmo tempo individualiza e naturaliza, o “Urso Guloso”, o “Índio Curumim”, o “Elefante”, entre outros. Ao contrário do camaleão, cujo processo de mimetismo é orgânico, o dos humanos precisa dispor ao seu alcance da experiência soc…

Mário Quintana

Ao ler a revista EntreLivros de outubro (estampada com uma caricatura de Machado de Assis na capa), me despertou curiosidade uma enquete virtual, organizada durante o mês de setembro pela editoria da revista, com a seguinte pergunta: qual o grande poeta brasileiro do século XX? A reposta não deu outra: o gaúcho Mário Quintana. Em segundo lugar, pode-se dizer em empate técnico, veio o favorito da crítica, Carlos Drummond de Andrade, seguido de João Cabral de Melo Neto, Manuel Bandeira e Vinícius de Moraes. Minha lista pessoal seria mais ou menos a mesma, inclusive incluiria Vinicius, um poeta genial, especialmente em seus sonetos mais conhecidos. Apenas excluiria Mário Quintana.

Não levo enquetes a sério, mas funcionam como sintoma: ponho-me a pensar o que faz Quintana ser o favorito na preferência do público leitor de poesia, mesmo circunstancialmente. Também não vou ficar tirando onda, no Olimpio, dando uma de ridículo, falando que o público não entende de poesia. Nada disso. A César…

Cê "Ao Vivo"

Recebi pelo correio "Cê ao vivo", de Caetano Veloso. Todas as canções são conhecidas, repetindo a tática mercantil de Caetano em lançar um disco ao vivo no ano subseqüente à aparição do que deu base ao show. Alguns "ao vivo" ficaram melhores do que os de gravação em estúdio. Caso de típico de "Noites do Norte, ao vivo", para mim um dos melhores momentos de Caetano, e também um CD quase didático, pois resume as idéias estéticas, bastante ricas e inovadoras (ainda escrevo, em breve, um artigo sobre este belo disco) do compositor baiano sobre o que chama, ele, de "evolução da música brasileira" - uma idéia produtiva, interessante, porém sujeita a ventos e tempestades.

Cê (o gravado em estúdio, e não este, ao vivo) é um dos meus discos favoritos de Caetano, compositor pelo qual nutro uma afeição pessoal e emotiva muito grande (detesto tietagem e procuro preservar o espírito crítico, sempre que possível), mas fui descobrindo a afeição aos poucos. Expl…
Fidelidade Partidária: O Brasil entre a estabilidade econômica e a crise institucional permanente (I)

Perguntam-me sobre a decisão de ontem (04/10) do Supremo Tribunal Federal, que reiterou o princípio já votado em março pelo TSE: o cargo eletivo no sistema partidário brasileiro, é do partido e não propriedade do parlamentar, à primeira vista, assentando alguma regra de estabilidade na bagunça. Melhor como vai ficar do que como estava. Entretanto, nem tanto ao mar nem tanto a terra.

Como de costume na tradição brasileira à conciliação nas camadas superiores, a decisão dos ministros do Supremo, aprovou um princípio (a fidelidade); porém, ato contínuo, concedeu uma espécie de anistia branca, decidindo que só haverá possibilidade de processo dos partidos prejudicados pelo troca-troca partidário nos casos ocorridos depois de 27 de março, data da consulta ao TSE, e mesmo assim após de um demorado processo de provas e contra provas. Em resumo, ninguém terá o mandato cassado. Sequer falei no…

Enigma

Nasci no mesmo dia em que Getúlio Vargas, general gaúcho, amarrou o seu cavalo no obelisco de uma praça pública do Rio de Janeiro. Qual o significado disso?

Boaventura de Sousa Santos

Fizemos, eu e Cida, a entrevista seguinte com o sociólogo Boaventura de Sousa Santos, há precisamente um ano. Em seguida, a entrevista foi publicada na revista acadêmica “Serviço Social e Sociedade” (São Paulo: Cortez, 89, março/2007, p. 177-189). A entrevista não requer preâmbulos longos, tanto porque Boaventura talvez seja, depois de José Saramago, o intelectual português mais conhecido no Brasil como já a acompanha uma apresentação. Embora sucinta, a entrevista é bastante rica, creio. No momento, chamo a atenção do leitor para o conceito de “fascismo social” esposado na entrevista, quando há um debate em torno do sucesso do filme “Tropa de Elite” (um sucesso estranho, clandestino, com base na reprodução de milhões de cópias piratas, cada uma delas, índice do aumento exponencial da ilegalidade no Brasil), louvando as ações de violência de um batalhão especial da polícia do Rio de Janeiro. Na deterioração de um Estado Democrático de Direito, a cruel realidade de um Estado pré-hobbesi…